segunda-feira, 22 de outubro de 2018

NO TÚNEL DO TEMPO - "FAÇAM O JOGO"




NO TÚNEL DO TEMPO  "FAÇAM O JOGO"

Muitos dos que estão lendo este texto, por sua pouca idade, não viveram esta época, portanto não podem saber sobre o que estou me referindo.

Em contrapartida, outros, os de mais idade, sabem perfeitamente do que se trata.

Antes que alguém insinue que estou fazendo apologia a jogos de azar, já vou logo informando que não se trata disto.

Na verdade, estou apenas querendo relembrar que muitas das famílias caxambuenses, que porventura possam estar lendo este texto, foram sustentadas como a minha, por aqueles que diretamente ou indiretamente trabalhavam nos cassinos (diferente de jogavam nos cassinos), bem como por aqueles(as) que trabalhavam nos hotéis, no comércio, taxistas, charreteiros, engraxates, etc., etc., etc..

O fato é que, desde o início do segundo meado da década de 30 até pouco mais do fim do primeiro meado da década de 40, mais precisamente em 1946, quando a proibição dos jogos de azar no Brasil foi estabelecida por força do decreto-lei 9.215, de 30 de abril de 1946, assinado pelo então Presidente da República Eurico Gaspar Dutra, sob o argumento de que o jogo era degradante para o ser humanoCaxambu viveu seus tempos áureos e, isto muito se deu em face dos cassinos que aqui funcionavam.

Você deve estar se perguntando aonde eu quero chegar com este assunto.

Quero chegar, nada mais nada menos, na expressão: “Façam o jogo”.

“Façam o Jogo” é uma expressão usada pelo pagador, na mesa de roleta, convidando a todos para fazerem suas apostas, escolhendo um determinado número, que pode ser preto ou vermelho.
Pois bem, neste momento que você está lendo este edital, estamos a poucas horas da votação em segundo turno das eleições de 2018, no qual vamos decidir quem nos governará, nos próximos quatro anos, a nível federal e estadual.

Penso que podemos comparar tal evento ao jogo de roleta. E, neste caso, que ora estamos vivendo, é como se a “bola 13 e bola 17” estivessem marcadas para que uma delas seja a premiada. Não se tem uma terceira opção para apostar.

Portanto, meus amigos e amigas, o pagador está lhes convidando: “Façam o jogo”, “Façam suas apostas” e, aceitem o resultado, não o do giro da roleta, mas, sim, o que emergir das famigeradas urnas eletrônicas (particularmente eu sempre preferi e defendi o voto através de cédulas).

O certo é que, a partir deste dia 29 de outubro de 2018, o nosso Brasil não será mais o mesmo.

Pelo que me parece, nesta última eleição, não teremos vencedores, pois, pela intransigência daqueles que não aceitarão o resultado, seremos na verdade todos consideradosos derrotados. Será o início de um período difícil. Precisamos estar preparados para isto.

Não é preciso ser nenhum gênio, nenhum expert, nenhum analista político para prever o futuro de nosso povo.

O radicalismo é de ambas as partes. Infelizmente, direita e esquerda não vão se entender e, por isso, vamos todos pagar caro. Na verdade, independentemente de quem ganhar esta eleição, o caos estará instalado. Quem viver verá.

Pelo andar dos acontecimentos, só nos resta agir como o salmista: Elevo meus olhos para os montes. De onde me virá o socorro? O Socorro vem do Senhor que fez o céu e a terra!”.

Que Deus tenha misericórdia de nós brasileiros e brasileiras para que possamos reencontrar a paz. Amém!
Vereador - Presidente
CÂMARA MUNICIPAL DE CAXAMBU

Postagens Recentes

CONVITE - SUPERMERCADO BAHAMAS